Se você chegou até aqui é que ficou com dúvida do que é Adquirente,  Gateway, Subadquirente e qual o papel de cada um.

Vou tentar explicar aqui de uma maneira que vai facilitar o entendimento.

Vamos começar voltando no tempo para entender melhor. 

          📜 Na década de 1950, Frank MacNamara estava com executivos financeiros em um restaurante e percebeu que tinha esquecido seu dinheiro e seu talão de cheques para pagar a conta, foi aí que ele teve a ideia de criar um cartão em que contivesse o nome do dono e que após um tempo, o dono do cartão pudesse pagar a conta.

Então, naquele mesmo ano, ele criou o Diners Club que era feito de papel-cartão.              🛒 O cartão era aceito em apenas 27 restaurantes e em 1952, o cartão começou a ganhar milhares de adeptos e já era aceito por vário estabelecimentos. A partir daí, outros bancos começaram a emitir seus próprios cartões surgindo então as bandeiras Visa, Master, American Express, etc. 

Com isso, os estabelecimentos precisavam ter diversas maquininhas para passar o cartão de cada banco. Assim surgiu outra necessidade, a de ter uma maquininha que aceitasse transacionar diversos cartões e foi aí que surgiu a Adquirente.


 A Adquirente é uma empresa que realiza a comunicação do estabelecimento com as bandeiras, diminuindo a burocracia que existia. Alguns exemplos de Adquirentes são Stone, Cielo, Rede, GetNet, etc. 

📌 A partir daí, nenhuma loja mais consegue se comunicar diretamente com as bandeiras, apenas com as adquirentes.

          📎 Com a popularização do mundo online, as empresas passaram a divulgar seus produtos e serviços online para atrair mais clientes e com isso surgiu a necessidade de vender online. Mas como sabemos, esse é um processo que exige um certo cuidado para que os dados do cartão do cliente não fique acessível para que outras pessoas possam usá-lo. 

Foi aí que surgiu os Gateways. Essas empresas servem para garantir a segurança dessas transações online, criptografando os dados e evitando que os dados do cartão fiquem disponíveis a terceiros. O gateway fica a frente na loja online, os dados do cartão são registrados nele e ele passa os dados de maneira segura para a adquirente e a adquirente se comunica com a Bandeira para autorizar ou não a compra. Exemplos de Gateways são a Vindi e a Mundipagg.

A Subadquirente surgiu para auxiliar pequenos negócios e até mesmo pessoa física a receber via cartão. Elas geralmente têm um custo de aquisição mais em conta, porém, tem taxas mais altas por transação. Alguns exemplos de Subadquirente são: Mercado pago,  PagSeguiro.

          📌 Essas empresas  intermedeiam as transações da loja com as adquirentes, viabilizando assim que qualquer pessoa possa ter o benefício de receber em cartão com a mesma segurança de grandes empresas. 

E no EVO? 🤔

Para finalizar, vamos falar sobre o Débito Recorrente do seu EVO.

O Débito recorrente é uma forma de cobrar do portador do cartão (seu aluno) de uma maneira que não usa o limite do cartão, ou seja, o sistema vai cobrar do aluno automaticamente todo mês, por um período programado (caso dos plano recorrentes com vigência) ou até que o aluno peça cancelamento (caso dos plano recorrente mensal). 

          ▶️  Ao cadastrar o cartão do aluno em seu EVO, automaticamente os dados desse cartão são criptografados e armazenados de forma segura com o Gateway (Mundipagg ou Vindi), ou seja, no EVO fica apenas os dados do portador do cartão (aluno) e não os dados do cartão.

Para a transação de Débito Recorrente, seu EVO gera os dados da compra, aciona o Gateway (Mundipagg ou Vindi)  para indicar qual usuário será cobrado, o Gateway identifica o cartão do comprador (aluno) e manda para a adquirente os dados a serem cobrados, a adquirente por sua vez se comunica com a bandeira que autoriza ou não a cobrança.

Encontrou sua resposta?